terça-feira, 22 de maio de 2018

Sobre Festas



- ...então, você não fala nada de si, e quanto a tudo que te cerca, parece tão pouco interessado. Ao menos gosta de festas?
-Digamos que assumo uma postura quase religiosa quanto a elas. E quando estou em uma possuo até meus “Dez Mandamentos”, no que toca ao assunto. O primeiro deles é “Amarás ‘adeus’ acima de todas as coisas.”


Anderson Dias Cardoso.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Trocadilhos Para Dominar


Do berço ao dia em que achava que podia pensar por si própria, à cria diziam: "Lobo, tu mias!"
Como mágica, o trocadilho tornou-se em realidade,
Transmutaram-lhe a natureza, amansaram-lhe os ímpetos, para que continuassem reinando, sobre todos, por mais uma geração.


Anderson Dias Cardoso.

terça-feira, 15 de maio de 2018

Expectativas

Pequena multidão de crianças de olhos vazios disputando, frente ao vendedor, o direito de arrastar um daqueles seus caros e foscos balões de chumbo, enquanto seus pais procuravam, por um instante, esquecer-se destes, ainda, de si próprios, gozando dum por-do-sol sem cor ou  expectativas, durante seu passeio por um daqueles bosques onde se plantam astronauras.


Anderson Dias Cardoso.

sábado, 12 de maio de 2018

Sob Pressão

Um planeta inteiro de Atlas, envergados sob o peso de mundos imaginários que foram criados, e postos sobre seus lombos, para que os suportassem e não pudessem mirar seus próprios horizontes.


Anderson Dias Cardoso.

domingo, 1 de abril de 2018

A Marca dos Deuses

Intrigado pela obsessão de algumas pessoas a respeito de uma certa marca de produtos plásticos caríssimos (Tupperware), fui investigar as raízes deste controverso objeto de desejos, e acabei descobrindo que a marca tem origem Tupí, e, ancestralmente se referia aos recipientes de barro onde se guardava as almas dos vencidos em batalha, as quais eram oferecidas ao Deus Tupã...
Naquela época eram chamadas de TUPÃWERE.
Hoje, a tradição prossegue, só que as Almas aprisionadas nos potinhos plásticos superfaturados são extraídas, pouco a pouco, dos corpos ainda com vida dos trabalhadores daquelas fábricas.
O deus também parece haver sido substituído.
O novo garoto propaganda responde pelo nome de Mamon.


Anderson Dias Cardoso.

sábado, 3 de março de 2018

Osvaldo

Estava olhando o Osvaldo, uma aranha que habita o banheiro de casa, o qual, que eu saiba,não é jurista, diplomata, político, não esteve envolvido com a fundação Estado de Israel... e que mantém em sua morada, como inquilinos, em sua teia, seus dois últimos exoesqueletos.
Deve ser meio estranho olhar para seu passado de forma tão concreta, e conviver com carcassas vazias de si mesma, como um prelúdio de seu próprio fim.
Boa noite.

Anderson Dias Cardoso.

domingo, 21 de janeiro de 2018

OS NOSSOS HOMENS-BOMBA

Um pobre homem-bomba ocidental cultua a Mamon, do qual tenta se apropriar, quando, na verdade, por ele é apropriado .
O leviano deus lhe promete a possibilidade de posse, e satisfação infinitas...Assim como o faz a todos seus irmãos. Promete como certo, aquilo que ninguém possui.
O homem o segue, até o tempo lhe pese, as intempéries o aflijam, suas pernas fraquejem, e sucumbindo, seja pisoteado por aqueles que foram seduzidos após ele.
Neste momento sua “religião” se realiza!O inevitável ocorre, e o leva a um martírio inglório.
O homem-bomba ocidental é uma curiosidade fatal, vez que, em percebendo a farsa na qual foi envolvido, e que lhe furtou vida, alegria e saúde, ao invés de explodir, IMPLODE, levando consigo muitos dos que os cercam.



Anderson Dias Cardoso.

sábado, 20 de janeiro de 2018

FILOSOFUCK

Um filme que se passa na grécia antiga. Uma história sobre filosofia e a comercialização da ideia de que não existem verdades absolutas, por uma garota que procurava subverter a moral e os bons costumes daquela sociedade:
"BRUNA SOFISTINHA"
Hoje!Nos melhores cinemas!


Anderson Dias Cardoso.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

TROCADILHOS.



-Ei! Você não é a vítima escolhida para o sacrifício da tarde?
-Na realidade, bééé, só vim dar uma espiadinha.
-Ah! Entendi. É que sempre me confundo com esse negócio de x ou s.
-Todo nós, bééé ,meu amigo. Todos nós. Um bom trabalho ao senhor, e, não suje muito sua roupa. Manchas de sangue não são fáceis de serem removidas, e isso pode dar muito trabalho à senhora, sua querida mamãezinha.
-Obrigado.O senhor é muito simpático e atencioso.Desejo-lhe uma ótima tarde.
- Bééé.


Anderson Dias Cardoso.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Sobre Ex-Amores.

Era um bom/boa rapaz/moça, no entanto, ela(e) tornou seu coração em pó.
Depois daquele evento, o trabalho durou a tarde inteira. Bambú, papel de seda, linha 10, cola e plástico, para a "rabiola".
O cerol fabricado pelos estilhaços retirados de seu peito dividiria o próprio espaço e tempo.
Desde então, sua maior felicidade era soltar papagaio na rua da pessoa, a qual um dia fora amada!
 
 
Anderson Dias Cardoso.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

A Guerra.


Encontrava-me sob bombas.
Milhares, derramadas de um céu escuro, em todas as direções.
Cadáveres lançados de uma parte a outra, enquanto sirenes e vivos uivavam em meio ao
fumo.
Nada além do medo e a dor de todas aquelas infelizes almas, abatia-me.
Não havia bala sequer que me resvalasse.
No entanto, à despeito de toda tragédia, era eu o único ali a sofrer.
Ninguém padecia verdadeiramente e nenhum deles morria para sí mesmo.
Eram bonecos feitos de sonhos, espetáculo emulado, interativo a um só espectador.


Anderson Dias Cardoso.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

O Que Há Por Dentro.

Em seu exercício de arqueologia do autoconhecimento, escavou seu peito em busca dos fósseis de sua criança interior.


Anderson Dias Cardoso.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

No Aperto do Meu Apê.

Morava em espaço tão exíguo, que quando em casa, escrevia qualquer coisa sem ao menos separar as palavras...



Anderson Dias Cardoso.

segunda-feira, 6 de março de 2017

Cassiopéio Salva o Dia.



Cassiopéio Eduardo de Alcântara nasceu para ser herói. Salvara, por diversas vezes, sua irmã de inimigos imaginários. Aplicou, certa feita e desengonçadamente, a Manobra de Heimlich em sua mãe, evitando a morte por asfixia por conta de um osso do pé de um frango. Enfrentou a cachorrada dos vizinhos salvando um filhote de gambá, fugido de uma daquelas costumeiras queimadas da região. Tudo isso, e muito mais!
Seu projeto (para não dizer sonho) era o martírio em prol de qualquer causa que julgasse nobre. Foi quando veio a guerra, e o se alistar aconteceu quase instintivamente.
De início era daqueles jovens da provisão, ainda que deixasse claro aos superiores sua bravura e espírito belicoso.Carregou rifles, comida,medicamentos...Bem que tentou acertar algum inimigo com algumas das cápsulas que furtara no paiol, porém a miram não era das melhores.
Naquele dia estava entrincheirado. O lugar era bem pouco profundo e improvisado, e uma bomba foi lançada aos pés do tenente Ambrósio,  próximo a uma dúzia de pessoas as quais, por falta de tempo, ou por se encontrarem em seu "contrapé", seriam estraçalhadas por aquele artefato, caso ele não interviesse.
A ocasião era perfeita, o lugar, propício ao salto. O momento era aquele, porém, naquele dia se encontrava meio indisposto.
Abaixou-se, e enquanto ouvia o estouro esperou que houvesse outras oportunidades.



Anderson Dias Cardoso.

sábado, 29 de outubro de 2016

"O Que Eu Posso Dizer Para Te Encantar..."

Como sempre, estava a devorar porções de cadáveres de animais esquartejados, empalados nuns espetos de bambú, tostados em brasa ardente, e pensando no quanto as palavras podem ser usadas pra causar repulsa, ou, ao contrário, para nos justificar em nossos atos,desejos e intenções, sejam boas ou ruins.
Assim ocorre com um simples "churrasquinho", o que se dirá de todo o resto?





Anderson Dias Cardoso.

Carpe Diem?

Me disseram que vivesse o momento pois assim minha ansiedade passaria; porém o instante é fluído, e o tempo sem bordas com as quais eu  pudesse discerní-lo como o tal "agora".
A inquietude permanece, até o próximo conselho.



Anderson Dias Cardoso.

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Novamente.


Era um daqueles donos de uma vida vazia, e sem sentido, até que resolveu remediar a situação saltando daquele predinho feio, de dois andares, na Vila Madalena. Baque seco, euforia dos curiosos, e um pequeno espetáculo triste para “animar” aquele domingo tedioso.
Se disseram que suicidas vão para o inferno logo após a morte, o homem realmente acordou naquele mesmo ponto da sua vida, e teve que prosseguir seu martírio. 




Anderson Dias Cardoso.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Artesãos.



Pneus nas rodovias esmagando cotidianamente, até transformar animaizinhos em finas folhas de matéria orgânica ressequidas de sol.
Ele saia pela manhã a coletar tais corpos, e logo após o precário almoço, manufaturava os cadáveres em delicados, rústicos e peculiares porta copos.
Na vida, outras tantas pessoas ganhando seu pão, de maneira bizarra, sinistra e digna.





Anderson Dias Cardoso.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...